Histórico
 25/06/2006 a 01/07/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Ademir Assunção
 Claudio Daniel
 Carolina Libério
 Jane Maciel
 Joca Reiners Terron
 Ricardo Aleixo
 Revista Zunái
 Revista Etcetera
 Joacy Jamys
 Instituto Itaú Cultural
 Peanuts
 Rodrigo Pereira
 Rodrigo Pereira II
 Pataugaza
 Tássia Arouche
 Zema Ribeiro
 Bruno Barata
 Bruna Barbieri
 Xico Sá
 Makely Ka
 Bruno Brum
 Manu Maia
 Gisele Nunes Brasil (Lucy)
 André Lucap
 Coletiva Turba
 João Paulo Cuenca
 Marcelo Sahea
 Malvados
 Joan Brossa
 Mario Bortolotto
 Heriberto Yépez
 Daniel Galera
 Daniel Pellizzari
 Marcelino Freire
 Paulo Stocker
 poets.org
 POP BOX
 P. Leminski
 Augusto Paim
 Nona Arte
 Elisa Andrade Buzzo
 Roberto Kenard
 Daniela Lima
 Marcos Ramon
 Ronald Robson
 Edward Lear
 Dyl Pires
 Lacuna Inc.
 Carol Mello
 William S. Burroughs
 Gabriel Sunda
 Normal Project
 Jana Campos Lobo


 
 
o trompetista gago: :reuben


PENSANDO EM MÁRIO VARGAS LLOSA

O céu não vai ceder                   ,Cordélia cospe pro amanhecer nubloso. Ele o céu arrota                       bom dia                 num estrondo e a chuva discute com a boca do mundo, bem ali na parte do mundo que ela Cordélia calçaria.

 

Dia de greve, motorista de ônibus morto quando o remendo na avenida desremendo, ontem se disse que uma hora destas já estariam todos no palácio do podrer, os grevoltados. Cordélia não iria, é claro que o colégio não abriria, e se abrisse pai nenhum levaria filho nesse dia nenhum pra aprender língua estrangeira que fosse, que dirá o inglês que dizem out of season, mas Cordélia pensa toda língua vale a pena nas mãos de seus poetas, na pena de seus poetas, trocadilho brega, pensa. Última noite fria como todas as, como todos os céus são criativos, de nuvens ou sem, devia tanto àquela orgia de sopros e formas. Como a embriaguez a Baudelaire. Quando chove é o céu quem está no limite ou a terra quem implora, pela puberdade da grama, pelo arrepio das encostas; é a terra quem implora ou o céu quem quase perde o firmamento de tanto orvalho preso na garganta?

 

Chuva; café e esteira, vício e viço; olha lá fora e parece aquela Catedral            quem será que pintou                   ,em mancha e risco; viola (violona?) com os acordes que sabe, com aquelas três músicas que Ele ensinou pagando as aulas de xadrez, tem aquela que o Lobão diz                   eu tô chovendo muito mais do que lá fora                    ,que ela não sabe o resto da letra, e também não era ela mais chuva que aquela violência atrás da janela. Aquela Catedral                    quem será que pintou                ,e nem adianta botar o disco agora pra lembrar da letra toda que a chuva pede silêncio num pedido tão que não tem como não; desliga, liga o computador:                       tradução é o melhor emprego apesar de não existir tradução          ,ler em casa os seus poetas, ainda mais agora que chuva; Blake vê a Capela ela pensa na Catedral,                  quem será             ;a coordenadora pedagógica no telefone,                por que não foi, estava doente             ,                  não, só chuva e um buraco no chão que matou o motorista e não tem quem tire os curiosos de lá do sangue seco e dos destraços, todos eu vi, eu vi, e foi assim assado                       ,                  mas se não era doença levaria falta e não receberia o bônus de incentivo                          ,                  ta bom.

 

Chuva; a Catedral, A Catedral; Blake pintava e escrevia, ela traduz Blake e pinta

 

Cordélia pinta e borra o atrás da janela, fidelidade possível ao alimento da terra



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 18h13
[ ] [ envie esta mensagem ]



MALONE MORRE. O ROMANCE TAMBÉM.

Que tédio. O homem deitado sobre a cama atravessou um século, quase. Não sabe de quem é a cama, ou a casa que abriga a cama. Enxerga e escuta muito mal. Apenas os braços ainda se movem. Nada quer, nada pode querer. Ele vai nos contar algo. Sua situação atual, algumas histórias, o inventário de seus bens. Ele sente que está cometendo um erro. “Seja”.


James Joyce já havia matado o romance. Em Malone Morre, Samuel Beckett violenta o cadáver. Não há enredo. Malone deixa claro nas primeiras linhas do livro: poderia se matar naquele mesmo dia, mas prefere se deixar morrer. O que narrar, então? Não há sequer narrador. Sua fala é intoxicada de expressões como “deve ter sido assim”, “se meus olhos não me enganam”, “se bem me lembro”, que ridicularizam o próprio ato de narrar. Malone nada sabe de si, pouco sabe de seus personagens. Recria seus personagens, se enfada, cala. Se Malone é narrador, ainda não há narração. E isso é o de menos.


Escrito em 1948, em francês, e logo traduzido para o inglês pelo próprio autor, Malone Morre é desiludido como o mundo pós-45. Tenso como a geração que espera a próxima nuvem atômica. Beckett é herdeiro direto das experiências joyceanas. Mestre, como Joyce. Irlandês, é o inglês sua língua-mãe. Mas data de 1943 seu último romance escrito nesta língua, Watt. A partir daí passa a escrever originalmente em francês. Paulo Leminski diz que não há exílio pior que o exílio da língua. Por que Samuel Beckett escolhe o exílio? Talvez pelo amor indisfarçável que nutria pela França, e pelo igual desprezo pela Irlanda (“prefiro a França em guerra à Irlanda em paz”, diria). Muito provavelmente para se livrar do espectro do outro irlandês, o do Ulisses. Por melhor que falasse o francês, não teria nele a fluidez ou a riqueza vocabular que teria no inglês. Escrever em francês sempre seria penoso, árido, árduo. Isso, em Beckett, é intenção estética.


A escrita de Samuel Beckett é como a melhor prosa do século XX: prosa de poeta. Beckett escreveu e traduziu poemas, tinha a consciência de linguagem dos poetas. A aridez de escrever em francês seria terreno fértil para que lapidasse cada palavra, para que não passasse despercebido por nenhuma delas, como é hábito humano passar batido pelo que já conhece. Como diz Paulo Leminski, “Malone morre. Malone Morre, não”. O romance morreu. O que nos resta? A linguagem. Como na poesia, a linguagem carregada de significado, o texto onde toda palavra é necessária. Não por acaso a aridez, o esforço pela palavra. Não por acaso a concisão extrema, a paupéria, mais que a pobreza, para falar do vazio.



Escrito por reuben da cunha às 17h33
[ envie esta mensagem ]



MARCO ZERO

Pronto. Casa nova. Acho que aqui dá pra publicar os poemas. Então vamos lá: 

 

 

fotografia azul n°2

 

 abre os olhos

 

Sóis

 

luzes na sala de Seda

 

a saudade é um desejo azul

 

música do mar

sarrando o vento

 

p o e ira de ó   p    i      O   o r v a lho sobre a cidade

 

os

sentidos

sinestesiam-se

 

as mãos seladas

 

incendiadas

as línguas

despertam pétalas

nos corpos de água

sopram segredos do éden –

como gravar na pele

em palavras eternas

o amor.



Escrito por reuben da cunha às 16h59
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]