Histórico
 25/06/2006 a 01/07/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Ademir Assunção
 Claudio Daniel
 Carolina Libério
 Jane Maciel
 Joca Reiners Terron
 Ricardo Aleixo
 Revista Zunái
 Revista Etcetera
 Joacy Jamys
 Instituto Itaú Cultural
 Peanuts
 Rodrigo Pereira
 Rodrigo Pereira II
 Pataugaza
 Tássia Arouche
 Zema Ribeiro
 Bruno Barata
 Bruna Barbieri
 Xico Sá
 Makely Ka
 Bruno Brum
 Manu Maia
 Gisele Nunes Brasil (Lucy)
 André Lucap
 Coletiva Turba
 João Paulo Cuenca
 Marcelo Sahea
 Malvados
 Joan Brossa
 Mario Bortolotto
 Heriberto Yépez
 Daniel Galera
 Daniel Pellizzari
 Marcelino Freire
 Paulo Stocker
 poets.org
 POP BOX
 P. Leminski
 Augusto Paim
 Nona Arte
 Elisa Andrade Buzzo
 Roberto Kenard
 Daniela Lima
 Marcos Ramon
 Ronald Robson
 Edward Lear
 Dyl Pires
 Lacuna Inc.
 Carol Mello
 William S. Burroughs
 Gabriel Sunda
 Normal Project
 Jana Campos Lobo


 
 
o trompetista gago: :reuben


O ALTAR DOS LOUCOS, ETCETERA E TAL

Poesia, pra mim, sempre andou de mãos dadas com o sexo & o sagrado. Esses três sim, alteram meus estados mentais. O resto só me deixa tonto, e de vez em quando. A poesia está entre os dois: música. Ritmo dissoluto & Salmo de louvor.

um dia eu passo

como

quem tanto

faz

como quem nunca foi

 

preciso              mas

enquanto isso

Deus me livre

do juízo



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 14h40
[ ] [ envie esta mensagem ]



paisagem

                       nuvens transando

brisa q ñ termina                beijo na palma

 

da alma



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 11h21
[ ] [ envie esta mensagem ]



JUST LIKE A ROLLING STONE

Allen Ginsberg e Bob Dylan, após uma visita ao túmulo de Jack Kerouac. Peguei a foto no blogue do Ademir. Fiquei completamente chapado quando vi.



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 23h08
[ ] [ envie esta mensagem ]



QUE PUXA

A primeira coisa que eu quis ser na vida foi desenhista. Sempre serei um desenhista frustrado. No bom sentido, please. Por isso não consigo ver os quadrinhos como "arte menor", ou "sub-cultura" ou "cultura inútil". A Jane Maciel (minha generosa amiga linkada aí do lado) me emprestou Que Saudade, Snoopy!, coletânea de tirinhas do Charlie Brown (Peanuts) que a Conrad editou. Depois que recebi, fui pra casa com a empolgação que sinto ao ler Dante ou Torquato Neto. Minha sensibilidade deve muito à cultura de massa.

Numa das tirinhas do livro o Snoopy está batucando sua máquina de escrever. Pra quem não sabe, além de cão ele também é escritor. Se bem que são duas coisas indissociáveis. Fiquem com um fragmento do sujeito, filho do cartunista Charles Schulz:

Os olhos dele se encheram de lágrimas quando lia a carta de despedida. "Sempre teremos nossas lembranças", ela escreveu. De repente, ele percebeu que era uma carta-modelo.

Sub-cultura é a mãe.



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 21h44
[ ] [ envie esta mensagem ]



COM A PENA DA GALHOFA E A TINTA DA MELANCOLIA (este é um texto sem título)

Aqui as personagens são: O capitão gancho, O professor-doutor em psicopedagopatia inverossímil pela USP, O reuben e O débil mental do VJ vocalista de uma banda de emocore. O professor-doutor etc. já acorda dizendo E se o inferno parecesse um shopping?, despertando então O capitão etc., O reuben e O débil mental etc..

Assim que as vitrines e a música de vidro e os luminosos e os sorrisos rasteiros passam a pintar a paisagem O reuben diz Assim está melhor?. O capitão não gosta nem um pouco. Resmunga algo inaudível que talvez insinue que na condição de personagem O reuben deveria perder essa pose de autor. Ele ele mesmo O capitão pinta então carnes cruas dependuradas detrás das vitrines. Como num açougue chique. Não altera os sorrisos rasteiros ou a música de vidro e as vitrines. O reuben parece não se importar, o que de fato. O professor-doutor acha tudo muito pós-moderno, nada original e muito sujo. Brega mesmo. Cruuuuzes, O professor-doutor diz.

Uma das caixinhas de som do sistema de som do shopping que pode ser tanto o cenário quanto o inferno toca mais alto que as demais. Mais alto demais, alguém da platéia intervém. O débil mental está sentado sob. Embaixo dela, diz a música de vidro. O reuben abate a caixinha de som que toca mais alto que as demais com dois tiros de um rifle e desenha um relógio-despertador que tapa o buraco-aberto. O capitão teme o relógio-despertador. Fobia grave, culpa de um crocodilo freudiano dos tempos do Nunca. O débil mental não consegue escutar música alguma mais. O débil mental é impressionável demais. Ninguém duvida de que as demais caixinhas de som estão funcionando bem.

Há na platéia três estudantes de psicologia apreciadores de música eclética que se levantam aviltados e resmungam algos inaudíveis que talvez insinuem Quantos estereótipos!, Um desrespeito!, O autor perdeu o juízo na primeira tentativa!, arrancando aplausos e silvos de O professor-doutor. A platéia restante aplaude a interpretação de O professor-doutor, embora ignore a dos três estudantes de psicologia aviltados. O capitão não gosta nem um pouco. O capitão diz Vão à merda todos vocês. O débil mental acha tudo muito engraçado, tudo muito cheio de atitude.

O débil mental pede um telefone e pelo telefone pede um McLanche Feliz com bastante queijo, Por favor. Mais aplausos. Silvos breves. O professor-doutor agradece o carinho como se fosse o Sting. Ninguém lembra do Sting. Risos de papel saem das caixinhas de som restantes. O capitão exige que O reuben se explique. Mais risos de papel e aplausos. O capitão gosta menos ainda. Estão todos loucos, O capitão diz. Alguém da platéia diz Alguém aí pediu um McLanche Feliz com bastante queijo?. O débil mental diz Eu e desce até a platéia. Com o boné da McDonalds lá está Julio Cortazar, que O débil mental não conhece. A platéia restante continua observando o palco apenas. Nada acontece no palco enquanto Julio Cortazar mastiga O débil mental dentro do McLanche Feliz com bastante queijo, mais ou menos como naquele conto do livro Final de Jogo. O professor-doutor percebe o que está acontecendo e se finge de morto. O professor-doutor deita no centro do palco. Claro. Uma das mãos de O professor-doutor está dentro da boca de O professor-doutor. O professor-doutor chora, chora mesmo, pra valer. Caladinho. A platéia não entende. Talvez Julio Cortazar entendesse, mas Julio Cortazar já saiu. A platéia sem Julio Cortazar resmunga algos inaudíveis. Juntos, os algos inaudíveis de toda a platéia incomodam pacas. O capitão agradece a quem interessar possa por seu gancho. O capitão sabe que deve isso ao crocodilo freudiano dos tempos do Nunca. O gancho de O capitão está dentro de um dos ouvidos de O capitão. Há sangue. O capitão senta ao lado de O professor-doutor, para sempre.

A platéia agora não importa mais.

Atrás de uma das vitrines O reuben desenha um daqueles dependuradores de carnes cruas só que sem nenhuma carne dependurada. A platéia agora não importa mais e todos os personagens estão mortos menos O reuben. O que será que acontece agora?



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 10h36
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]