Histórico
 25/06/2006 a 01/07/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Ademir Assunção
 Claudio Daniel
 Carolina Libério
 Jane Maciel
 Joca Reiners Terron
 Ricardo Aleixo
 Revista Zunái
 Revista Etcetera
 Joacy Jamys
 Instituto Itaú Cultural
 Peanuts
 Rodrigo Pereira
 Rodrigo Pereira II
 Pataugaza
 Tássia Arouche
 Zema Ribeiro
 Bruno Barata
 Bruna Barbieri
 Xico Sá
 Makely Ka
 Bruno Brum
 Manu Maia
 Gisele Nunes Brasil (Lucy)
 André Lucap
 Coletiva Turba
 João Paulo Cuenca
 Marcelo Sahea
 Malvados
 Joan Brossa
 Mario Bortolotto
 Heriberto Yépez
 Daniel Galera
 Daniel Pellizzari
 Marcelino Freire
 Paulo Stocker
 poets.org
 POP BOX
 P. Leminski
 Augusto Paim
 Nona Arte
 Elisa Andrade Buzzo
 Roberto Kenard
 Daniela Lima
 Marcos Ramon
 Ronald Robson
 Edward Lear
 Dyl Pires
 Lacuna Inc.
 Carol Mello
 William S. Burroughs
 Gabriel Sunda
 Normal Project
 Jana Campos Lobo


 
 
o trompetista gago: :reuben


Pedalando uma velha calói eu procuro a Zona Fantasma

Eu estava vestido com minha dor mais elegante quando recebi o cd Rebelião na Zona Fantasma, do poeta Ademir Assunção. Cadeiras quebradas na minha alma. Vasos de flores derramando terra no chão. Porta-retratos lançados contra paredes. Eu, minhas verdades e mentiras e todas as suas conseqüências.

Abro o envelope. Desenho do Paulo Stocker. Humor. & terror. Pego o disco. Mais Stocker. E o aviso: ainda dirão que somos lunáticos. O disco levou quase dez anos para ser feito. Ademir conta que vendeu um carro para bancá-lo. Tudo, como diria o Itamar, às próprias custas. Um grande lunático, esse Ademir. Pousou por aqui e agora uiva de saudade de alguma lua onde as coisas talvez façam sentido. Agora trabalha com um grupo de músicos de primeira, para recriar poemas já publicados e mostrar inéditos.

‘Sou um homem só’, Ademir se apresenta. E o violão solitário de Luiz Waack, como rastros de fumaça no ar da sala. Uma serpente dançando, você não vai conseguir domá-la.

Tive a sensação de que a voz estava alta demais, em relação aos instrumentos, na faixa seguinte, “Escrito a Sangue”. E de que o clima da faixa destoava do poema, que precisava de algo mais heavy. Mas “E então?” vem logo em seguida, e aí tá tudo certo, como diz o Bortolotto. Está todo mundo no mesmo plano, todo mundo provocando. Aparecendo quando preciso, fazendo cama quando preciso. Ao longo do disco, poema oralizado dialoga com música, e também com a forma do poema no papel do encarte (olho vivo, velhinho). A melhor palavra que eu conheço para isso é ORGIA. Não deixe de sacar tudo, e ao mesmo tempo. Se lambuze. Há certas sutilezas de arrepiar a nuca. Saque só “Noite & Dia”. A espacialidade do poema voa no tempo, primeiro da fala, depois da música de Ademir e Madan. E acerta em cheio, no centro de outro homem só, como todo homem.

Eu ainda poderia falar que “O Espinho no Dedo de Deus” me pegou de surpresa, puta beleza (“tenho no corpo as marcas de chernobyl/ tenho no bolso uma bomba que ainda não explodiu”). Ou de “Nada Demais”, que eu há muito tempo trago com carinho na bagagem do coração, e que agora mesmo é que não sai nunca mais da mochila. Poderia falar etcetera e tal. Ou registrar que algumas vezes a entonação da fala de Ademir (me) incomoda. Mas eu realmente estou muito mais interessado em ficar ouvindo o disco.

Ademir Assunção já é aquele sábio cruzando a cidade numa velha calói. Furioso e zen como ninguém. “Quem sabe que sabe não se afoba/ e quem sabe que nada não se afoga”, ele diz, enquanto pedala. Os homens se assustam, mas as crianças acham tudo muito e tão.

O poeta recebe seus convidados, Edvaldo Santana e Zeca Baleiro. Dizer o quê? Contribuições impecáveis. De Madan, Luiz Waak, Ricardo Garcia e quem mais apareceu também. Arte, honey. The wild side. Pessoas sensíveis, enxergando com olhos de anjos. Procurando tocar o outro lado. Você, que está do outro lado. Eu. Se isso não lhe desarmar, se esse tipo de coisa não mexer com sua sensibilidade, é melhor se cuidar, velhinho. Dê uma boa respirada e encare o sol nascendo. Isso vai ajudar.

Ademir Assunção & os meninos rebeldes entram na minha alma e pisam todos os restos no chão. Estilhaçam as sobras. Depois sacodem a poeira dos pés e sentam, calados. Ao meu lado.



Escrito por quem gritou foi o reuben da cu às 19h04
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]