Histórico
 25/06/2006 a 01/07/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Ademir Assunção
 Claudio Daniel
 Carolina Libério
 Jane Maciel
 Joca Reiners Terron
 Ricardo Aleixo
 Revista Zunái
 Revista Etcetera
 Joacy Jamys
 Instituto Itaú Cultural
 Peanuts
 Rodrigo Pereira
 Rodrigo Pereira II
 Pataugaza
 Tássia Arouche
 Zema Ribeiro
 Bruno Barata
 Bruna Barbieri
 Xico Sá
 Makely Ka
 Bruno Brum
 Manu Maia
 Gisele Nunes Brasil (Lucy)
 André Lucap
 Coletiva Turba
 João Paulo Cuenca
 Marcelo Sahea
 Malvados
 Joan Brossa
 Mario Bortolotto
 Heriberto Yépez
 Daniel Galera
 Daniel Pellizzari
 Marcelino Freire
 Paulo Stocker
 poets.org
 POP BOX
 P. Leminski
 Augusto Paim
 Nona Arte
 Elisa Andrade Buzzo
 Roberto Kenard
 Daniela Lima
 Marcos Ramon
 Ronald Robson
 Edward Lear
 Dyl Pires
 Lacuna Inc.
 Carol Mello
 William S. Burroughs
 Gabriel Sunda
 Normal Project
 Jana Campos Lobo


 
 
o trompetista gago: :reuben


As paredes da Casa se repetem.

 

O velho atravessa lento os corredores, com borracha e pedaço de carvão, vestido nas roupas de carvão.

 

Minucioso reescreve o Livro.

 

O Livro, como paredes (, sobre as paredes) que se repetem.

 

O velho, uma velha espécie de doido. Minucioso recobre com carvão letra a letra. Escreve vezes sem fim o Livro interminável.

 

Guarda a borracha para o ponto final.



Escrito por quem gritou foi o reuben às 16h39
[ ] [ envie esta mensagem ]



não precisa nem gritar

Às vezes tenho a impressão de que os livros combinam entre si algo que me queiram dizer. Após escrever o último post, relendo o grandessíssimo Otto Maria Carpeaux, dou de cara com o parágrafo que reproduzo.

 

O texto, sobre a universidade (desde a Idade Média até a Idade das Trevas – a nossa), vem falando sobre Georges Sorel, “o pai espiritual comum do fascismo e do bolchevismo, o ideólogo da violência”. E me vem com essa:

 

“Fica-se a admirar que Sorel fale em decadência na França dos Taine e Bergson, dos Flaubert e Proust, dos Mallarmé e Claudel, dos Degas e Cézanne, dos Rodin e Debussy, dos Pasteur e Henri Poincaré, numa das épocas mais magníficas do espírito francês. Mas é por isso mesmo. Sorel é violentamente antiintelectualista. Vê no espírito e suas obras o grande obstáculo à volta do primitivo. Neste ponto, Sorel parece sobretudo moderno, contemporâneo de nós outros. É a hostilidade ao espírito que liga Sorel diretamente às novas classes médias.”

 

Entendeu?



Escrito por quem gritou foi o reuben às 15h32
[ ] [ envie esta mensagem ]



um esboço

*

Foi com Borges que aprendi o significado do Corão para os muçulmanos. “É um dos atributos de Deus, não uma obra de Deus”, ele diz (Borges, não o Corão). Trata-se de algo anterior à criação. Um livro anterior ao homem.

 

No cristianismo (antes, no judaísmo), o Livro é escrito por cerca de 40 autores oficiais (através de 34 séculos), todos “guiados pelo Espírito”. Só a presença inspiradora do Espírito dá coesão aos retalhos literários da Bíblia (para os judeus, Torah).

 

O mesmo Borges ensina, a idéia de livro sagrado é oriental. Os exemplos do islamismo e do cristianismo são bem recentes, e os dois mais popularizados no ocidente. Popularizados, apenas. Não creio que o cristianismo (detenho-me nele) tenha sido compreendido. Prova disso é a forma burocrática que assumiu deste lado do mundo. Um exemplo: a noção de igreja. Disseminou-se que igreja são templos apinhados de bocós (e que pastores são intermediários entre o homem e Deus). O conceito bíblico é que cada indivíduo é igreja (e que, com o Sacrifício, finda está a necessidade de intermediários).

 

*

Daniel Pellizzari: “vivemos em tempos de certo modo complicados para os dez filadaputa que lê livro, é certo. Com a ascensão abrutalhada e fascinante da narrativa audiovisual no último século, a literatura perdeu evidência e saiu do posto privilegiado em que sempre estivera, de forma narrativa primária. O que para muitos escritores pode parecer terrível - como de fato o é, mas não completamente - a mim parece um convite à maior liberdade, ao completo abandono à imaginação. Ninguém está olhando. Ninguém se importa. Ninguém está lendo. Que maravilha”.

Sem pressões de mercado (ou valor), a literatura passa a ser espaço privilegiado de liberdade criativa. Escreve-se o que se quer. Publicar não é tão difícil. Não se faz o filme que se quer, em hipótese alguma que não de um desvario bilionário.

 

*

Ando pensando bastante no espaço de subversão que a palavra é, numa sociedade que reduz todos os discursos à imagem (pense na política e na música, por exemplo – não há política sem publicidade, não há música sem videoclipe).

 

Penso, em especial, na literatura e na religião. Porque são, me parece, espaços de individualização da fala. O livro não fala senão com você. Ou você, ou você. Mas nunca vocês três coletivamente. Como a palavra sagrada fala ao indivíduo, pois é no indivíduo que há espiritualidade.

 

(Bernard Shaw diz que todo livro que vale à pena foi escrito pelo Espírito)

 

A pessoalidade é característica comum à literatura e à religião. Ninguém pode ler por você. Ninguém pode crer por você. A leitura exige entrega. Menos que isso é superficialidade. Fé de televisão e leitura de horóscopo.



Escrito por quem gritou foi o reuben às 10h15
[ ] [ envie esta mensagem ]



de como me dobraram ao meio e atiraram fora

http://www.sevaj.dk/kharms/kharmseng.htm

 

Isso é tudo o que eu conheço do Daniil Kharms. Azar o meu. Lembro que quando Ricardo me passou o endereço, há 72 anos, o primeiro conto que li foi “O sonho”. Nunca saiu da minha cabeça. Não é exagero quando digo que quase todos os dias, desde então, penso no homem dobrado ao meio e jogado no lixo. No lixo não. Como lixo.

 

Tirei o fim de semana para reler os 24 contos disponíveis neste site. Há ali um humor impossível. Possível é lembrar de Lewis Carroll e Julio Cortazar. Só que Daniil Kharms é, digamos, menos sutil. Bem menos.

 

Portanto se eu deixei de sair com você, ou você, ou ainda você e você, e disse que o fiz por algum motivo que não a leitura do Kharms, eu menti.

 

Nada mais apropriado.



Escrito por quem gritou foi o reuben às 20h26
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]